sábado, 16 de janeiro de 2010

História da Ferrari




Enzo Ferrari nasceu em 1898. Iniciou na fábrica Alfa Romeo nos anos de 1920. Trabalhou nessa fábrica como mecânico, piloto e diretor de equipe.
Em 1929, criou a Scuderia Ferrari, a primeira equipe de corrida de automóvel independente das fábricas automotivas, mas com vínculo administrativo com a Alfa Romeo. No primeiro ano, a Ferrari venceu sete corridas, quatro em Cortese, duas em Nuvolari e uma em Sommer, num total de quatorze provas disputadas.
Em 1939, Enzo Ferrari abandona a Alfa Romeo. Durante a
segunda guerra, fabrica veículos e equipamentos para a agricultura, mas sem prensar o seu nome em seus veículos, em respeito à contratos ainda vigentes com a Alfa Romeo. Em 1946, constrói o carro Ferrari 125 S, sob sua própria marca.
Enzo Ferrari sempre teve o projeto de fabricar vários tipos de carros para cada tipo de situação específica ; em 1948, cria o monoposto de GP, com o motor 125 F1 ( 1500 cc). O modelo disputou a corrida da Itália naquele mesmo ano, conquistando o terceiro lugar.
Desde então, a equipe já conquistou mais de cinco mil vitórias, participando da
Fórmula 1, do World Sportcar Championship e promove na Europa, EUA e América Latina o campeonato Ferrari Challenger, com carros ferraris 355.
Em 1969, parte das ações da empresa Ferrari foram adquiridas pela Fiat. Neste mesmo ano a Ferrari começou a circular no Brasil, sua importação foi proibida entre os anos de 1974 e 1990, a importação voltou a ocorrer a partir de 1993 e se fortaleceu a partir de 1996.




Autor: Fernando Rebouças

História da Volkswagen

Brasão da alemã Volkswagen


A KDF era uma empresa estatal alemã, cuja proposta endossada por Adolf Hitler, era o desenvolvimento de uma carro novo, econômico e popular. O projeto foi elaborado por Ferdinand Porche e batizado inicialmente de KDF Wagen.
Posteriormente, o carro ficou conhecido pelo nome de Volkswagen, que em alemão significa “Carro do Povo” ( volks = povo ; wagen = carro). No
Brasil, o carro ficou conhecido pelo nome Fusca.
Anos depois, a fábrica, que tinha sido destruída durante a
Segunda Guerra e reconstruída pelos ingleses, passou a ser chamada de Volkswagen e privatizada. O seu primeiro projeto, o Fusca, tornou-se o carro mais popular do século XX, e alcançou sucessos de vendas no mundo inteiro, depois de ter conquistado o mercado norte – americano.
Inicialmente, os norte – americanos rejeitaram o Fusca por preferirem “carrões”, e ainda rejeitavam a marca Volkswagen por esta ser herdeira de um projeto nazista. A marca Volkswagen e o produto Fusca teve que ser trabalhado de maneira doferenciada e inovadora nos
anúncios publicitários na mídia estadunidense.
A agência Doyle Dane Bemback realizou peças em revistas com fundo branco e uma pequena foto monocromática do Fusca ao fundo e no rodapé o slogan : “Thinks Small” (pense pequeno). Foi uma maneira de se diferenciar dos anúncios publicitários dos “carrões”; afinal o Fusca era pequeno, mas econômico e eficaz.
A sede mundial da Volkswagen fica em Wolfsburg, Alemanha. O grupo empresarial que investe na fabricação dos carros volk´s também é proprietário das marcas Audi, Bentley, Lamborghini, Seat e Skoda.
A Volkswagen se instalou no Brasil, em 23 de março de 1953. No país possui cinco fábricas, a e Anchieta, São Bernardo do Campo, Taubaté, São Carlos, estas no estado de São Paulo; São José dos Pinhais, no Paraná; e Resende, estado do Rio de Janeiro.






Autor: Fernando Rebouças

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Carros do futuro


Carro que estaciona sozinho
Não, esse ainda não chegou ao mercado brasileiro, mas já é uma realidade. O sistema desenvolvido na UnB (Universidade de Brasília) já está em processo de patente e segundo seu criador, o professor Sadek Crisostomo Absi Alfaro, montadoras nacionais já manifestam interesse em introduzir a tecnologia em seus veículos.
“Muitas companhias no procuraram, mas pediram sigilo”, Revela o professor. Ele garante que podemos esperar ver carros estacionando sozinhos nas ruas brasileiras já em 2010. No exterior isso já é uma realidade. Clique na imagem e veja um vídeo divulgado pela BMW que mostra esta tecnologia na prática! Pra voar falta pouco!
Comentem...

Carros F1-2008

Venho hoje mostrar os carros que disputaram o prêmio de Fórmula 1 no ano de 2008 e alguns da categoria Superleague Formula que utilizam adaptam a pintura dos carros com as cores de equipes futebolísticas.
Gostei muito dos carros que representaram as equipes em 2008, as pinturas são muito mais bonitas, na minha opinião, do que da Fórmula 1.
Tudo bem que essas apresentações são 3D (reparem no ângulo da câmera) mas mesmo assim representam muito bem os clubes de futebol.






FÓRMULA 1


SUPERLEAGUE FORMULA

História do Automóvel


Em 1769, na França, Nicolas-Joseph Cugnot usou um motor a vapor para movimentar um veículo, um fardier de três rodas, mas o automóvel com motor de combustão interna foi inventado na Alemanha, só em 1885, por Karl Benz e Gottlieb Daimler.
Décadas depois, G. E. Sellden, um advogado estadunidense inventou a sua versão do automóvel, que era rudimentar. Patenteou-a, mas nunca a produziu em massa, cabendo isso a empresas que aderiam - obrigatoriamente - a uma organização por si criada.
Pouco tempo depois, o estadunidense Henry Ford passou a fabricar carros em série. Os primeiros foram os modelos T, fabricados de 1908 a 1927. Estes venderam mais de 15 milhões de unidades.
G. E. Sellden afirmou ter inventado o automóvel antes de Henry Ford. Este afirmou ter inventado uma versão mais avançada. Sendo os modelos T, de Henry Ford, mais populares, depressa entrou na bancarrota. Tentou vender automóveis construídos por si, mas sem sucesso.


No Brasil

Pode-se dizer que a era automobilística nasceu no Brasil no dia 25 de novembro de 1891, quando desembarcou no cais de Santos, do navio Portugal, o primeiro carro importado, adquirido pelo jovem inventor do avião, Alberto Santos Dumont, que mais tarde seria conhecido como o Pai da Aviação.
O carro era um reluzente Peugeot, com motor Daimler a gasolina, de 3,5 cv e dois cilindros em V, conhecido pelos franceses como voiturette, por ser muito parecida com uma charrete.
Seu proprietário o comprara por 6.200 francos, em Valentigney, cidade perto de Paris, e o trouxe diretamente para Santos. Mais tarde, o veículo foi levado a São Paulo, permanecendo na residência de Santos Dumont.
Esse Peugeot foi o primeiro carro a chegar no Brasil, asseguram os historiadores. Dessa maneira, a cidade teve a primazia de ver circular por suas ruas o primeiro automóvel do País, como confirmou a Câmara Municipal, um século depois.
Já o primeiro carro fabricado em território brasileiro foi a Romi-Isetta, produzida pelas indústrias Romi na cidade de Santa Bárbara d'Oeste, no interior paulista.